“É hora de investir em privacidade de dados” – 28/04/2021

O sócio fundador André Damiani e a advogada Flávia Bortolini foram destaque no Estadão:

Nos últimos dias, um grande banco vem investindo em publicidade com o foco na privacidade dos dados de seus clientes. É uma resposta aos recentes mega vazamentos ocorridos. Muito se tem discutido sobre a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e os seus impactos nas empresas. A lei permitirá a aplicação das cabíveis sanções administrativas somente a partir de agosto deste ano. Assim, até o momento, existe uma crença de que as empresas em desconformidade legal permanecem, pelo menos no curtíssimo prazo, imunes a sanções financeiras.

Ledo engano. Mesmo não pagando qualquer multa, as empresas que não investem no tratamento e proteção de dados, definitivamente, deixam de lucrar e, consequentemente, estão perdendo dinheiro. No âmbito digital, os dados pessoais dos consumidores possuem extrema relevância e valor econômico, o que levou o mercado a classificar tal ativo como “o novo petróleo”. A comparação é adequada. A nossa vida é on-line. A troca de informações possui um valor comercial crescente. Tanto que Ajay Banga, CEO da Mastercard, disse que “a diferença é que o petróleo vai acabar um dia. Os dados, não”. A declaração foi feita durante evento de inovação da Mastercard, em São Paulo, em 2019.

Contudo, da mesma forma como o petróleo, que precisa ser refinado para se tornar valioso, as empresas precisam filtrar seus dados, agregando valor às informações obtidas. Quem souber fazer bom uso dos dados coletados, terá em suas mãos um ativo precioso, capaz de impulsionar negócios, aumentar lucros, conter perdas e promover marcas.

Leia o artigo na íntegra.

2021-04-28T14:43:51-03:00